sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Sonhos Perdidos - Um poema de Edite C. C. Pereira

O céu azul da esperança...fotografado por mim aqui em Mira-Sintra.

SONHOS  PERDIDOS

«Por onde andam os sonhos
que sonhei quando criança?
Era tão grande a esperança
que me enchia o coração!
Os meus sonhos onde estão?

Por onde andam os sonhos
que sonhei na mocidade?
já tenho tanta saudade
dos impulsos, da paixão.
Os meus sonhos onde estão?

Por onde andam os sonhos
que sonhei já em mulher?
Tanto ficou por dizer...
já nem sei qual a razão.
Os meus sonhos onde estão?

Por onde andam os sonhos
que continuo a sonhar?
Devem estar nalgum lugar
ouvindo o meu coração.
Os meus sonhos onde estão?»

(Edite C.C. Pereira - no livro - Lágrimas e sorrisos)

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Alguns, dos muitos gatos que ajudámos na casa da aldeia


quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Plantas pioneiras

Epilobium angustifolium . Fonte da Imagem: https://jb.utad.pt/

«As plantas pioneiras são espécies que se desenvolvem na primeira fase de uma sucessão - por exemplo, um feto do Havai cresce em fendas pouco  tempo depois de a lava de uma erupção arrefecer; noutras zonas, as flores rosa carregado da espécie Epilobium angustifolium colorem solos florestais desnudados  por incêndios.

Os pioneiros vegetais têm de suportar as mais duras condições - intensa  luz solar e escassez ou   infertilidade do solo. Como as condições de crescimento não são favoráveis à maioria das outras espécies, as plantas pioneiras têm o terreno livre. Poucos competidores desafiarão a sua existência até os pioneiros terem ocupado o terreno e introduzido nele as alterações necessárias à sobrevivência de Outras espécies.»

(No livro - ABC da Natureza)

 Nota pessoal:

Tendo em conta o que acima escrevi:

...as flores  rosa carregado da espécie "Epilobium angustifolium",  colorem  solos florestais desnudados por incêndios" -  apraz-me dizer, e desejar, de todo o coração... que os   milhares de hectares  calcinados pelos incêndios em Portugal...se cubram de uma imensidão destas belas flores,
como  lenitivo para os nossos corações  carregados de dor.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Entregar "toda a nossa vida" ao cuidado do Senhor

 Caminho na Serra de Sintra. Fotografia do  meu filho  Zé .

Entregar "toda a nossa vida" ao cuidado do Senhor

«...a nossa vida  é algo muito complexo, tem aspectos variados, envolve muitas facetas. É feita de alegrias, muitas vezes;  todos os seres humanos, mais ou menos, as têm experimentado.  Devemos entregar as nossas alegrias ao Senhor para que Ele as santifique. Ele se alegrará nos seus filhos, como um bom pai se alegra na alegria do filho. Mas, alegrias entregues  assim  ao Senhor, e que Ele possa santificar, têm de ser alegrias sâs, imaculadas .O prazer baixo, pecaminoso, atentatório da dignidade humana, só lhe causará tristeza: nunca lho poderemos comunicar.
   Mas a vida não tem só alegrias; encontra-se,  por vezes, no pólo oposto: a tristeza.  Há muitas tribulações e sofrimentos. Entreguemos-lhe tudo, expondo - Lhe as nossas tristezas, procurando que mesmo elas contribuam para nosso bem e de todos aqueles que amam a Deus, buscando, por meio delas, a orientação do Senhor, o seu conforto, a Sua consolação.»
(Pastor Dr. João António Marques - no livro - "Olhai para os Lírios do Campo")

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Aconteceu faz hoje 111 anos


13 de Novembro de 1906


«Logo de manhã dei um passeio pelo campo e fui até a uma casa de Elmdon Lane, para fazer alguns esboços  de um melro e de um tordo que lá têm. Estava uma manhã calma, cinzenta e um pouco enevoada. Os bosques e as árvores, esbatidos pela neblina, adquiriam  tons lilases. Muitas átvores estavam completamente despidas, mas os carvalhos  ainda conservavam a sua folhagem e mostravam todos os matizes da cor brônzea e parda, enquanto nas sebes e nas bermas dos caminhos resplandecem os tons dourados do folhedo e dos fetos. Respirava-se por toda a parte o suave perfume das folhas caídas. Atravessei um campo de erva onde havia muitos cogumelos de todas as espécies. O curioso é que, apesar de antes ter atravessado vários campos de erva parecidos, não vi um só cogumelo até chegar a este.
A mulher de um guarda - florestal  que vive junto da casa onde vou pintar os pássaros mostrou-me dois magníficos exemplares dissecados de noutebós que o marido caçou naquela zona. Em  Dartmoor e nos bosques de Surrey e de Cumberland, já tinha visto várias vezes estes pássaros, mas não sabia que também os havia nesta região.»

(Edith Holden - no livro - A Alegria de Viver com a Natureza)

Nota:

Uma das mais lindas prendas que recebi do Jorge, meu marido, em Dezembro  de 2006

domingo, 12 de novembro de 2017

Porque hoje é Domingo (465)


«A minha alma anseia e tem saudades dos átrios do SENHOR;
Todo o meu ser canta de alegria  ao Deus vivo!

Até os pardais  encontram um abrigo
e as andorinhas um ninho,
para si e para os seus filhos,
junto dos teus altares, SENHOR todo - poderoso,
meu rei e meu Deus.

Felizes os que habitam na tua casa
e te louvam sem cessar;
felizes os que em ti encontram auxílio,
os que desejam peregrinar até ao monte Sião.
Que eles façam correr torrentes no vale,
e façam dele um lugar de nascentes
e que Deus o cubra de cisternas.
Eles avançaram cada vez com mais coragem
até se apresentarem em Sião perante Deus...

...Vale mais passar um dia nos teus átrios,
do que mil fora deles!
Antes quero ficar à porta da  casa do meu Deus
do que habitar nas tendas dos maus.
Porque o SENHOR é  nossa luz e protecção;
ele ama e honra os que vivem em rectidão
e não lhes recusa nenhum bem.

Ó SENHOR todo poderoso,
felizes aqueles que em ti confiam!»
(Salmo 84 - na Bíblia para Todos)

sábado, 11 de novembro de 2017

A NOITE E A CASA - Um poema de Sophia de Mello Breyner Andresen

 A escritora e poetisa  portuguesa - Sophia de Mello Breyner Andresen


A NOITE E A CASA

A noite reúne a casa e o silêncio 
Desde o alicerce desde o fundamento 
Até à flor imóvel
Apenas se ouve bater o relógio do tempo

A noite reúne  a casa  a  seu destino

Nada agora se dispersa se divide
Tudo está como o cipreste  atento

O vazio caminha em seus espaços vivos

(Sophia de Mello Breyner  Andresen - no livro - Obra Poética II )

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Quero que apreciem algumas das minhas rosas


"Os homens cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim e não encontram o que procuram. E, no entanto, o que eles buscam poderia ser achado numa só rosa."
             (Antoine de Saint-Exupéry)


quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Colhe-se proporcionalmente ao que se semeia


Não podemos esquecer a exortação do apóstolo Paulo:

Vamos colher o que  semearmos. Façamos então uma selecção de sementes, atirando fora, para longe,  ou queimando, as sementes malignas, que nos reservarão colheita terrível, se continuarmos a usá-las, e sirvamo-nos apenas das boas sementes, delas fazendo larga sementeira, porque nelas temos a garantia de uma colheita agradável e abençoada, que permanecerá para a vida eterna.
Semeemos na obra de Deus, porquanto, tal como a terra retribui, multiplicadas, as sementes   que lhe lançam no ventre, também Deus nos dará « cem vezes mais»  por aquilo  que tivermos feito.
Semeemos esforçadamente, mesmo sacrificialmente, pois quanto maior for o sofrimento da sementeira, maior será também a alegria da colheita.

(Pastor Dr João António Marques - no livro - Olhai para os Lirios do Campo)

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Belezas de Sintra - Canção de Manuel Dias Pereira

Lindas "glórias da manhã" - que encontramos em vários recantos da bela Sintra. Foto pessoal.

BELEZAS DE SINTRA

Eu fui á Peninha,
Eu fui ao castelo,
Fui ver a paisagem...
Como tudo é belo!...(Bis)

Como tudo é belo
E a vista que tem;
Eu fui aos Capuchos
E á Pena também! (bis)

E á Pena também,
Tudo visitei,
Eu fui á Cruz Alta,
Confesso gostei! (bis)

Confesso gostei,
Fiquei deslumbrado/a
De lá vi o mar,
Fiquei encantado/a! (bis)

Fiquei encantado/a
Com a  natureza
E a Serra de Sintra
Com tanta beleza! (bis)

Com tanta beleza
Com a luz e cor,
Eu vi pela serra
Jardins em flor!...(bis)

Jardins em flor
Eu ainda vi mais;
Fui a Monserrate,
Eu vi Seteais...(bis)

Eu vi Seteais
E á Vila desci,
Fui ver o Palácio,
Fiquei por aqui...(bis)

Fiquei por aqui
Cansado de andar,
Mas subi ao Parque
P'ra lá descansar... (bis)

P'ra lá descansar
E rever a jornada
Da Sintra tão bela,
"Princesa encantada"!

(Manuel Dias Pereira - no livro  - Viver a Cantar -
 Canções do Grupo Coral de Maceira - Pero Pinheiro)

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Atleta portuguesa - Nádia Carvalho (16 anos) salva idosa de morrer afogada

A atleta portuguesa Nádia Carvalho. Fonte da imagem:http://www.mediotejo.net/ 
A atleta  saindo do rio  apoiada pela PSP.  Foto de Fabiana Sopusa. http://www.mediotejo.net/


« Nádia Carvalho, atleta de 16 anos do Núcleo do Sporting de Torres Novas, esteve no centro de um salvamento inesperado este domingo, 5 de novembro. Quando a equipa se preparava para seguir caminho para o corta mato nacional em Torres Vedras, cerca das 7h15, deparou-se com uma idosa que aparentemente se atirava para o rio Almonda. Nádia não hesitou, saltou para a água, e manteve a idosa à tona até chegarem as autoridades.

O caso foi relatado nas redes sociais e rapidamente partilhado sucessivamente, descrevendo-se a atitude de Nádia Carvalho como heróica. A jovem atleta acabaria por não participar na competição nacional, na qual iria procurar o apuramento para representar Portugal na modalidade.
O mediotejo.net contactou Nádia Carvalho na manhã desta segunda-feira, 6 de novembro, depois de um dia em que recebeu felicitações de muitos pelo ato de coragem. Passavam das 7h00 quando Nádia chegou ao ponto de encontro da equipa, junto à Ponte do Raro, e admite ter visto a idosa a atirar comida aos peixes. “Um senhor da minha equipa ouviu um som de alguém a mandar-se para a água. Começou tudo a gritar, eu atirei-me”.


Nádia reconhece que entrou em pânico e nem teve noção do que estava a fazer. “A senhora dizia que queria morrer, estive a consolá-la”, recorda. Entretanto chegou a polícia, sendo que um dos elementos também se atirou para dentro de água e ajudou Nádia a segurar na idosa.
Com toda a situação, a jovem atleta, recordista dos 1500 metros obstáculos nos Iniciados e anterior campeã nacional dos 2 mil metros obstáculos, acabaria por falhar o corta mato de Torres Vedras, perdendo assim a hipótese de qualificação nacional. “Valeu a pena, não me arrependo”, comentou ao mediotejo.net, constatando que haverá outras oportunidades.
Natural de Torres Novas, Nádia Carvalho pratica atletismo há sete anos. Ao telefone, num intervalo entre aulas, teve ainda tempo de falar um pouco de si, referindo que gostaria de se tornar polícia, como o pai, e treinadora. Uma situação como a de domingo, admite, espera não tornar a repetir.


O mediotejo.net falou também com um dos responsáveis do núcleo, Raúl Santos, que estava na carrinho a preparar a viagem quando tudo sucedeu. “É uma heroína”, afirmou, lembrando o episódio, constatando que no sítio onde a idosa caiu a própria Nádia já tinha a água pelo pescoço. “A corrente é pouca e o rio já não leva tanta água”, explicou, tendo acabado também por ser um momento de sorte.
Raúl Santos lamenta apenas a demora no contacto do 112, que fez com que a ambulância chegasse apenas 20 minutos depois ao local, tendo a polícia demorado metade do tempo. A equipa acabou por partir sem a atleta, que ainda ficou na água. Já a idosa, adiantou, é viúva e vive na zona, ao que tem conhecimento, tendo sido transportada para o Hospital de Abrantes.
Sobre a atleta, o responsável afirma que o próprio ato de coragem a descreve. “A Nádia deveria ser reconhecida nacionalmente”, frisou, assim como pelo município. “É uma criança”, constatou, que empreendeu um ato de audácia. “Eu só vi a Nádia no ar”.»
    (http://www.mediotejo.net/)

Nota pessoal:

Esta noticia, ouvida hoje de manhã, alegrou e deu  uma nova luz, ao meu dia!
Que contentamento senti!
Emocionei-me até...

16 anos!
Quase uma criança...
No entanto, saltou para a água e não pensou em mais nada, a não ser salvar a senhora idosa.
 Creio que o caso deveria ser mais divulgado, para que "toda a gente soubesse".

Por mim,  com o coração apertadinho... e com uma imensa gratidão, quero dizer à Nádia:

MUITO OBRIGADA NÁDIA!
Foi exemplar!
Continue sendo assim generosa.
Que Deus a recompense e  lhe dê muitas alegrias.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Memórias de Infância - Um poema de Edite C. C. Pereira

 Foto  da Viviana

MEMÓRIAS DE INFÂNCIA

O combóio a apitar
e a nora a chiar,
com o burro indolente
esperando impaciente
que o pusessem à solta,
cansado de tanta volta.

As vaquinhas a mugir,
olhos meigos  a pedir
só um pouco de atenção.
E o Fera? Aquele cão
Atrevido barulhento,
Mas também tão ternurento!
 
Os bois mansos e  possantes,
enormes, deselegantes,
pelo amarelo suado
de puxarem o arado
desde cedo, todo o dia
debaixo do sol que ardia.

O cavalo orgulhoso,
elegante e teimoso,
a mula velha, cansada,
sempre tão contrariada,
não queria passear,
preferia descansar.

O carneiro que balia
e o porco que grunhia,
galinhas cacarejavam
também os gatos miavam.
Pessoas que se moviam,
que trabalhavam, corriam...

O pão a sair do forno
e comido ainda morno,
com doce que a avó fazia
Ah!  Que bem que nos sabia!
E que mistura de odores!
O pão, a fruta e as flores...

Se eu pudesse voltar
atrás, àquele lugar,
aqueles tempos distantes
mesmo só por uns instantes...
Ter de novo aquela idade
e matar esta Saudade!
 
(Edite C.C. Pereira)
No livro  - Lágrimas e Sorrisos

domingo, 5 de novembro de 2017

Porque hoje é Domingo (464)

O amado Pastor Adolfo Pinto anunciando a Palavra, na Igreja de Leomil - Beira Alta.

O anjo do SENHOR  envolve os que o honram
e livra-os do perigo.
Provem e vejam como o SENHOR  é bom;
feliz o homem que nele confia!
Temam ao SENHOR  todos os que se consagram a ele,
pois não falta nada àqueles que o respeitam.
Os ricos empobrecem e passam fome,
mas nenhum bem faltará aos que procuram o SENHOR.
(Salmo 34 :7 a 10)
Na Bíblia para Todos

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Todas as ervas daninhas são prejudiciais?

Uma linda erva daninha que "invade tudo" à volta do meu jardim.

Em determinado sentido não existem ervas daninhas. Para além de outras características, o dicionário define erva daninha  «como uma planta sem valor» - mas quase todas as plantas possuem qualquer característica útil. Aglomerações densas de ervas daninhas impedem a erosão do solo, e os seus resistentes e  extensos sistemas  radiculares perfuram solo compacto.
As ervas daninhas são em alguns casos fontes de medicamentos, corantes e outros produtos úteis. Embora dependam menos do que os animais selvagens das ervas daninhas como alimento,  os seres humanos consomem algumas, como o agrião,  a chicória e folhas de dente - de  - leão. As ervas daninhas podem também ser atraentes - a sua folhagem delicada, os seus frutos fascinantes e as suas flores formam na paisagem manchas coloridas extraordinariamente belas.
    (No livro - O A B C da Natureza)

Um belo dente de leão, que  nasceu no vaso que está à porta do meu prédio

Flor da chicória. Devia ter vinte cm de altura, mas a seca não a deixou crescer. Mesmo assim, juntinho ao chão, ela floriu! Junto ao jardim da casa da aldeia.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Como homenagem à minha linda amiga Susete Vicente

Saudades...da D.ª Susete.
A Dª. Susete Vicente era uma linda e simpática senhora, que vivia "na minha aldeia".
Considerava-a uma boa e fiel amiga...
Gostava imenso de a encontrar nos caminhos da aldeia, onde regra geral, dávamos sempre "dois dedos de conversa".
Partiu para o Céu há cerca de dois anos, deixando imensas saudades.
Hoje, pegando num livro, da estante, aqui ao lado, um livro que tem muitas coisas bonitas - músicas, canções e danças, da minha aldeia, ao abri-lo, os meus olhos  foram bater num poema sobre o Dia da Espiga, da autoria da minha amiga Susete.  Ao lê-lo, achei-o tão lindo, tão cristalino, que me deu uma grande vontade de o partilhar aqui, com os amigos.

Ei-lo:

O DIA DA ESPIGA 
                I
Neste dia de Ascensão
Já minha avó me dizia:
Se chover dará mais pão
P'ra  termos em cada dia;

Essa espiga que aí tens,
Que bonita que ela está,
P'ra dar o pão que comeis
Por muitas mãos passará!

Refrão

Ai que dia de amizade
Que aqui  'stamos a viver,
Que nos vai deixar saudade,
Nunca mais vamos 'squecer! (bis)
          
                 II 
Foi primeiro o lavrador
Na terra o grão a semear
E com carinho e amor
Essa terra irá tratar;

A chuva, o sol e o vento, 
É que o vão desenvolver,
Faz parte do teu sustento
Esse pão que irás comer!
                III
Mas até a pão chegar
Muito trabalho dará,
Colhe-se e vai debulhar
E ao moinho passará;

O moleiro enfarinhado,
Todo branco e já velhinho,
Lá vai com todo o cuidado
Tratando do seu moinho!

                  IV
O moinho vai moendo
Até  farinha obter,
O padeiro vai fazendo
O pão que vamos comer;

Pelo pão que todos comem
Agradeçamos aos céus:
Foi precisa a mão do homem
Mas também a mão de Deus!

(Susete Vicente - no livro - VIVER A CANTAR -
     -   de Manuel Dias Pereira)

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Os meus Hinos queridos (11)


Martinho Lutero. Fonte da imagem: https://pt.wikipedia.org/

Por ocasião da celebração   dos 500 anos  da Reforma Protestante,  aproveito para dar a conhecer aos amigos que por aqui passarem, um do meus Hinos queridos - Castelo Forte é nosso Deus - nº 323 do Cantor Cristão. 
Canto-o desde criança, e daí, sabê-lo  de memória. 
Aprendi a cantá-lo na amada e saudosa Igreja Baptista de Leiria, onde cresci; porém,  as mais doces recordações deste Hino,  são dos cultos domésticos na nossa casa, dirigidos pelo meu saudoso e querido pai. Fecho os olhos e revejo a cena: O pai, a mãe, e os quatro filhos, sentados à volta da mesa da sala, cantando este e, tantos outros hinos do Cantor Cristão. Ainda pareço ouvir a voz forte e bela, do pai, e a voz fininha e suave da mãe.

 Eis o Hino:

CASTELO FORTE É NOSSO DEUS

Castelo forte é nosso Deus, espada e bom escudo
Com Seu poder defende os Seus,
Em todo transe agudo
Com fúria pertinaz, persegue Satanás.
Com artimanhas tais, e astúcias tão cruéis,
Que iguais não há na terra!

A nossa força nada faz, estamos sim perdidos.
Mas nosso Deus socorro traz, e somos protegidos.
Defende -  nos Jesus, o que venceu na cruz.
Senhor dos altos céus, e sendo o próprio Deus,
Triunfa na batalha!

Se nos quisessem devorar, demónios não contados.
Não nos podiam assustar, nem somos derrotados.
O grande acusador, dos servos do Senhor.
Já condenado está, vencido cairá,
Por uma só palavra!

Sim que a palavra ficará, sabemos com certeza.
E nada nos assustará, com Cristo por defesa.
Se temos de perder, os filhos, bens mulher.
Embora a vida vá, por nós Jesus está,
E dar-nos-á Seu Reino!

Martinho  Luthero (1483-1546)

terça-feira, 31 de outubro de 2017

CANÇÃO PARA A MINHA MÃE - Um poema de Miguel Torga

O poeta e escritor português  - Miguel Torga.

E sem um gesto, sem um não, partias!
Assim a luz eterna se extinguia!
Sem um adeus, sequer te despedias,
Atraiçoando a fé que nos unia!

Terra lavrada e quente,
regaço de um poeta criador,
ias - te embora antes do sol poente,
Triste como semente sem calor!

Ias, resignada, apodrecer
À sombra das roseiras outonais!
Cor da alegria, cântico a nascer,
Trocavas por ciprestes pinheirais!

Mas eu vim, deusa desenganada!
Vim com este condão que tu conheces,
E toquei essa carne macerada
Da vida palpitante que mereces!

Porque tu és a Mãe!
Pariste um dia aos gritos e aos arrancos,
E parirás ainda pelo tempo além,
Mesmo sem madre e de cabelos brancos!

És e serás a faia que balança ao vento
E não quebra  nem cede!
Se te pediu a paz do esquecimento,
Também a força de lutar te pede!

Respira, pois, seiva da duração,
Nos meus pulmões até, se te cansaste;
Mas que eu sinta bater o coração
No peito onde em menino me embalaste.

( Miguel Torga - No livro - Diário I)

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Do Grande Livro do AMOR (21)

Flores lindas que fotografei no Mucifal - Sintra.
   Ele veio até mim
com a mais maravilhosa ternura.
  Ele tinha medo e eu tinha medo,
mas eis que surge a porta aberta:
   ele era tão delicado e frágil
e belo como uma flor.
(Victoria Freeman) 
No Grande Livro do AMOR

domingo, 29 de outubro de 2017

Porque hoje é Domingo (463)


HINO DE ADORAÇÃO

Como é imensa a riqueza de Deus e a sua sabedoria e ciência! Quem poderá explicar os seus planos e compreender os seus caminhos!  Bem diz a Escritura:

   Quem é que conheceu  os pensamentos do Senhor?
   Ou quem lhe serviu de conselheiro?
   Quem antes deu algo a Deus
   para que isso  lhe seja retribuído?

É que tudo veio de Deus e tudo existe por ele e para ele . A Deus seja dado louvor para todo o sempre. Ámen.

  (Ep. de S. Paulo aos Romanos 11: 33 a 36)
   Na Bíblia para Todos

sábado, 28 de outubro de 2017

Partilhando "coisas lindas" oferecidas pela amiga Sandrinha

A linda amiga Sandrinha
Os presentes:





Tão lindo!
Executado por ela!...
Com um amor e carinho imensos, eu sei.

A Sandrinha já fez isto muitas vezes.

Ela é mesmo amiga e toca o coração da gente...

Que dizer? Que escrever?

Um - MUITO OBRIGADA!
Como diz o povo:  do fundo do coração.
E que:
Chovam bênçãos dos céus, sobre a querida Sandrinha e a sua linda família.
Todo o meu carinho e gratidão num apertado abraço.
Se quiserem visitar o blogue da Sandrinha aqui fica o endereço:

http://aotoquedoamor.blogspot.pt/

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Uma quadra inédita de Agostinho da Silva

O Filósofo e escritor português Agostinho da Silva.

NÃO ME ARREPENDO DE NADA
DO QUE FIZ ATÉ AGORA
MAS SE O COMPARO AO ETERNO
LÁ VAI TUDO BORDA FORA.

(Agostinho da Silva - no livro - Quadras Inéditas)

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

A verdadeira Mensagem Cristã


«A verdadeira Mensagem Cristã é a de um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem, e da salvação possível para todos, pela Fé  n´Ele, graças  ao amor do Pai pelo ser que criara à sua imagem e semelhança.
Ecoa, por isso,  em toda a Terra, o belo convite, de plena eficácia: "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei" (Mateus 11:28), porque "eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância" (Jo-10:1o)»

(Pastor Dr. João António Marques - no livro - O AMOR DIVINO)

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Conhecem a galinhola?

A galinhola é uma ave linda.Fonte da imagem: https://pt.wikipedia.orghttps://pt.
 
Uma ave esquiva do solo florestal

A galinhola almenta-se e nidifica no solo. 
Camuflada pelas suas cores mescladas, 
passa despercebida até irromper subitamente 
de debaixo dos pés de quem por ela passe,
voando em zigezague  por entre as árvores.
Florestas húmidas entremeadas  com clareiras
são o «habitat» preferido da ave.

As galinholas usam os  longos bicos  para 
sondar o solo húmido, à procura de minhocas 
e outros alimentos.

(No livro - A B C DA NATUREZA)

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Um poema de Vanessa Paulini

Um pôr - do Sol  em Mira-Sintra. Foto minha.  

Viverei pata Ti

«Não conheci maior amor, nem mais verdadeiro encontrarei
Que pode sua própria vida por mim oferecer
Por isso minha vida também a Ti entregarei
Tua vida entregaste por inteiro, amando-me sem eu merecer.

E que cada momento possa lembrar do Teu amor
Que a minha vida escondida em Ti esteja...e sozinho não estarei
Comigo estás por onde eu for
E ao meu coração diz: Nunca jamais te deixarei.

E quando de lágrimas estiver o meu coração  inundado
Eu possa sentir a doçura da Tua paz derramar-se como o mel
E então  me perder na grandeza  do teu cuidado
Grande como assim é a imensidão do azul do céu.

E nos teus braços me protegendo e envolvendo
Guiando-me na Tua palavra, apagando no caminho as tristezas
E sentir Teu amor em minha vida resplandecendo...
Como na noite resplandece na escuridão o brilho das estrelas.

E então lembrar-me sempre que cuidas de mim
E no Teu cuidado viver para Ti em todos os lugares
Assim como cuidas das flores no jardim
Enfeitando-as com beleza...protegendo- as em detalhes.

E que nos detalhes da minha vida...em tudo o que eu  faça...
Os meus planos, os meus sonhos...sejam Teus
E, assim,  enquanto o tempo passa...
Viverei para Ti o melhor dos  dias meus.

  (Vanessa Paulini)
No livro - O AMOR DE JESUS EM VERSOS

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Parabéns ao Miguel Oliveira que venceu o Mundial de Motociclisno, na Austrália

O jovem e sorridente Miguel Oliveira Erguendo o merecido Troféu. Fonte da imagem: http://www.record.pt
«Fez-se história em português uma vez mais no Mundial de motociclismo. Depois de já ter sido, há dois anos, o primeiro português a vencer uma prova de Moto3, Miguel Oliveira conseguiu repetir a gracinha agora na categoria intermédia, ao levar a sua KTM ao lugar mais alto do pódio no Grande Prémio da Austrália.»
  ( http://www.record.pt/)

  I Nota pessoal:

Poderão pensar, os que estas linhas lerem, que eu sou uma "apaixonada " pelo motociclismo.
Nada de  mais errado. Acho um desporto tão perigoso que me "arrepia".
O que me leva a colocar aqui  neste espaço esta notícia, é que se trata de um feito difícil e  arriscado e que requereu muita preparação e muita perseverança. Daí, valorizá-lo  e reconhecer-lhe o mérito.
Sobretudo porque se trata de um jovem português, de apenas 20 anos, meu concidadão, a representar Portugal, meu querido país.
Muitos Parabéns, Miguel!
Creia que a sua vitória me deu muita alegria.
Vá em frente.Persiga os seus sonhos. Realize-se.
Como mulher de fé em Deus, desejo que Ele sempre o proteja e guarde.
O meu abraço.

II nota Pessoal:

Publiquei a I nota pessoal, neste espaço, no dia 1 de Junho de 2015, quando o motociclista venceu o Grande Prémio de Itália. 

Hoje, passados dois anos, confirmo e repito,o que escrevi em 2015
Tal  Qual!

domingo, 22 de outubro de 2017

Porque hoje é Domingo (462)


O Reino de Deus abrange toda a terra

«Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós.
Para que se conheça na terra o seu caminho, e entre todas as nações a tua salvação.
Louvem-te a ti, ó Deus, os povos; louvem-te os povos todos.
Alegrem-se e regozijem-se as nações, pois julgarás os povos com com equidade, e governarás as nações sobre a terra.
Louvem-te a ti, ó Deus, os povos;  louvem-te os povos todos.
Então a terra dará o seu fruto; e Deus, o nosso Deus nos abençoará.
Deus nos abençoará, e todas as extremidades da terra o  temerão..»
 (Salmo 67)

sábado, 21 de outubro de 2017

Lembrando Zeca Afonso

A bela romã - Foto minha.  

"Ó FINAS AREIAS
Ó CLARA MANHÃ
Ó RUBRAS PAPOILAS
DA COR DA ROMÃ".

(Zeca Afonso - Excerto de uma canção)

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Para este tempo triste, um poema do pastor Joaquim Emanuel Martins Pinto


Para Ti, Senhor

Majestoso Senhor, Omnipotente,
Em teu amor desejo eu viver.
A paz que tenho,
acho-a em Ti somente!
É em Ti
que encontra  minh´alma carente
Todo o poder, a força p´ra  vencer!

De teu cuidado sempre rodeado,
Passo a passo, caminho junto a Ti .
No meu futuro,
em tuas mãos guardado,
Vislumbro o mesmo amor
que tem marcado
Os dias que, Contigo, já vivi!

Que Teu amor inspire minha vida!
Quero viver para esse amor cantar!
Aquela cruz no Gólgota erguida,
Saiba indicar-me a senda
a ser seguida,
Qual náufrago  perdido em alto mar.

Quando chegado ao fim 
desta jornada,
E perante Teu trono me encontrar,
Que alegria na face renovada!
Desprovido da mágoa já passada,
Poder, eternamente, Te adorar!

(Pastor Joaquim Emanuel Martins Pinto)
Na Mensagem Baptista - da A.I.B.P. 

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

A minha sentida homenagem ao Pinhal do Rei - ou - Pinhal de Leiria


 Pinhal de Leiria. Foto tirada na zona de Vieira de Leiria pelo fotógrafo - Carlos Pedrosa
       
Hoje, Manuel Alegre, publicou no Diário de Notícias o seguinte: 

«Sete séculos depois ardeu o pinhal de D. Dinis, o das "naus a haver", morreu o verde pinho do rei poeta. Dá vontade de chorar e não consigo ficar calado. »

Quanto a mim, cresci embrenhada no meio da caruma e das pinhas do pinhal de Leiria.

Apanhei, e saboreei, muitas camarinhas - um pequeno fruto branco agridoce que crescia nos pinhais,  junto ao mar.

Vivi perto do pinhal de Leiria, desde os sete aos 19 anos, e nunca houve qualquer fogo.
O pinhal nunca ardeu.

Agora, foi com muita tristeza  e uma enorme dor...como o Manuel Alegre, com vontade de chorar e não me calar, que  soube que oitenta por cento deste precioso pinhal foi devorado pelo fogo.

Nestes últimos dias, muitas têm sido as pessoas que vêm a este blogue, ler o poema "O Pinhal do Rei", que aqui publiquei  no dia 18 de Dezembro de 2014, como a minha sentida homenagem ao Pinhal de Leiria e ao grande e saudoso poeta leiriense - Afonso Lopes Vieira.
 
 Ofereço-o aos amigos que por aqui passarem.

Ei-lo:


PINHAL DO REI

Catedral verde e sussurrante, aonde
a luz se ameiga e se esconde
e onde ecoando a cantar
se alonga e se prolonga a longa voz do mar,
ditoso o Lavrador que a seu contento
por suas mãos semeou este jardim;

ditoso o Poeta que lançou ao vento
esta canção sem fim...

Ai flores, ai flores do Pinhal louvado,
que vedes no mar?
Ai flores, ai flores do Pinhal louvado,
são as caravelas, teu corpo cortado,
é lo verde pino no mar a boiar,

Pinhal de heróicas árvores tão belas
foi teu corpo e da tua alma também
que nasceram as nossas caravelas
ansiosas de todo o Além;
foste tu  que lhes deste a tua carne em flor
e sobre os mares andaste  navegando,
rodeando a Terra e olhando os novos  astros,
oh gótico Pinhal navegando,
em naus erguida levando
tua alma em flor na ponta  alta dos mastros!...

Ai flores, ai flores do Pinhal florido,
que vedes no mar?
Ai flores, ai flores do Pinhal  florido,
que grande saudade, que longo gemido
ondeia nos ramos, suspira no ar.

(Afonso Lopes Vieira)

terça-feira, 17 de outubro de 2017

O Milagre da chuva que caiu do céu e apagou todos os fogos em Portugal

A preciosa chuva bateu nos vidros da minha janela. (Foto minha.)
Creio poder dizer, que ontem, todos os portugueses andavam com o coração apertadinho.
Os incêndios tomavam conta de uma boa parte do país.
Através da televisão, ouvi, que  estiveram  em actividade mais de quinhentos incêndios, que roubaram a vida a trinta e sete pessoas. Uma enorme tragédia que deixou os nossos corações a sangrar.

Pois bem, durante o dia de ontem, o céu foi ficando cada vez mais escuro - que bom! Eu, que gosto tanto do céu azul de anil de Mira-Sintra, alegrei-me imenso a vê-lo a escurecer mais e mais.
Orei ao Senhor várias vezes ao dia, pedindo que, por favor, nos mandasse chuva.
Sei que como eu, havia muitos mais portugueses a fazê-lo, por esse país fora.

Pois bem, ao anoitecer,   tive a grande alegria de ouvir as primeiras gotas a bater suavemente no vidro da janela. Abri-a,  e debrucei-me - moro num terceiro andar com vista para a Serra de Sintra - e, deliciada, deixei-me molhar por aquela "águínha" tão abençoada.
Continuou a chover, e quando fui dormir, olhando a rua lá em baixo, já havia poças de água, o que me alegrou imenso.

Quando  me levantei, de manhã cedo, as noticias  sobre os incêndios eram bem diferentes...Informaram que a chuva que caiu, apagou todos os fogos, havendo por aqui e por ali, pequenos restos de fumo.

Ah! como a manhã era diferente da anterior! Que bênção! Que alivio!

Sorrio, ao pensar, que Deus, vendo a nossa aflição, abriu as torneiras do céu e livrou-nos do fogo.

Vou ainda reflectir sobre isto e dialogar com o meu Deus sobre a bênção e a dádiva desta preciosa chuva.

Faço um desafio aos amigos que por aqui passarem:

Juntem-se a mim  numa oração de gratidão.

Juntem-se a mim também numa prece sentida, para que Deus ajude, console e dê forças, aos familiares das vitimas mortais, bem assim como, aos  nossos  concidadãos que estão a sofrer tanto, por terem perdido as suas casas, as suas terras, os seus animais e as suas empresas.
Que o Senhor, deles tenha compaixão.
E se os pudermos ajudar...vamos a isso.

Uma nota:

Está novamente a começar a chover!

"Venha ela! Que Deus a mande"

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

CLAMEMOS JUNTOS A DEUS, POR PORTUGAL QUE ARDE


"A TI SENHOR, EU CLAMO;
A TI  MEU DEUS PEÇO COMPAIXÃO"

domingo, 15 de outubro de 2017

Porque hoje é Domingo (461)


Regozijem-se no Senhor os que são justos:
louvem-no os rectos de coração.
Louvem o Senhor ao som da harpa;
cantem -lhe salmos com harpa de dez cordas.
Cantem-lhe um cântico novo;
toquem com arte e aclamem-no!
As palavras do Senhor são rectas;
as suas obras mostram a sua fidelidade.
O Senhor quer sempre a rectidão e a justiça;
o seu amor enche a terra inteira!
O céu e todos os seus astros
foram criados pela palavra do Senhor,
pela palavra da sua boca.
Ele juntou num só lugar s águas dos mares
e armazenou nas profundezas dos oceanos.

Que toda a Terra respeite o Senhor:
tremam diante dele todos os habitantes do mundo.
Porque ele falou e assim aconteceu:
ele ordenou e assim ficou estabelecido....

...Nós pomos a nossa confiança no Senhor;
é ele quem nos ajuda e protege!
Ele é toda a nossa alegria;
confiamos plenamente no Deus santo.
Que o teu amor, Senhor, nos acompanhe,
pois pusemos em ti a nossa confiança!

(Salmo 33:1 a7, 20 a 22)
Na Bíblia para Todos

sábado, 14 de outubro de 2017

Aconteceu faz hoje 111 anos

A Naturalista Edith Holden. 

14 de Outubro de 1906

Sol e frio, depois de uma semana de tempo húnido e chuvoso. Caminhei até Caterine de Barnes em busca de algumas bagas de  sanguinho porque sabia que abundavam  nas  sebes por lá há.

           
Bagas de Sanguinho das sebes . Fonte da imagem: https://pt.wikipedia.org. 

Ao longo de todo o caminho viam-se muitos frutos de rosa - de - cão, sobretudo num campo que estava repleto de tojos e silvados.

                     
Fruto de Rosa- de - cão.

Dei pela presença de muitos verdelhões que comiam bagas

Verdelhão. Fonte da imagem: http://blogdosbichos.blogs.sapo.pt/

Algumas moitas de tojo estavam em flor; junto dessas flores sobressaíam os frutos de rosa - de - cão e as amoras, rodeadas de folhas amarelas e vermelhas.

 As belas amoras.
Também vi algumas campaínhas e cardos - do - pântano em flor e várias mçãs bravas  no cimo de uma árvore, mas não consegui chegar-lhes.

 
http://www.florestar.net/macieira-brava

Os jardins das casas estão agora muito bonitos com os crisântemos, as dálias e as margaridas, e as paredes das casas estão cobertas de grandes manchas carmesins onde a videira virgem mudou de cor.


 A bela dália - Fonte da imagem: https://www.google.pt/
(Edith Holden - no livro - A Alegria de Viver com a Natureza)